Pesquisar este blog

AVATICATA VIDEOS E PRODUÇÕES

Loading...

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

tempos cardíacos

Salve, Mato Grosso. Que não é o Ney, mas que é um álbum bem legal do grande Sérgião Dias, guitarrista, músico, adolescente sensação da paulicéia. Seja nos Mutantes, seja em carreira solo, Sérgião sempre dá um esculacho.

Esse da esquerda é o Cliceu, músico, comunicador e amigo, sendo afetivamente enredado pelo grande Sérgio Dias. Sim, roubei a foto do teu perfil e não adianta ficar brabinho.

Pois então, o lance é que trago um álbum que o Sérgio Dias gravou com o Phil Manzanera, guitarrista do Roxy Music, banda do famigerado Brian Ferry, sabe qual é? Pois é, o Ferry andou aí metido a Bob Dylan. Mas falemos de Manzanera. O cara, como última referência curricular, esteve na produção do álbum On An Island, de ninguém menos que sir David Gilmour, a lenda viva, o homem do bend, o cara dos solos, ainda que a maioria só fale de Comfortably Numb e esqueça a existência de uma The Gold is in the. Excelente trabalho do Manzanera e do Gilmour, que renderam aí as turnês Remember that night com o falecido Richard Wright, aquele que levou consigo um sonho de Pink Floyd.






Sério Dias e Phil Manzanera - Mato Grosso

O álbum, é claro, tem uma sonoridade incrível. É tudo muito preenchido. Na primeira faixa você se depara com um clima tribal criado pela percussão, pelo chocalho, alguns sons de fundo que estão ali sugerindo. É impossível não se perder na progressão crescente, os sons vão surgindo, um a um, compondo o mundo onde Sérgião quer te jogar. A segunda faixa segue o mesmo clima, mas progressivamente os sons da natureza vão dando lugar aos instrumentos, de forma crua, e nos deparamos com uma mudança de andamento repentina, tudo recende ao poderoso alcance da World Music.
Assim segue o álbum, uma mistura de sons que sugerem a natureza, ritmos latinos, uma coisa de samba que vem na quarta faixa, pra logo depois, ainda na mesma canção, se diluir numa pegada altamente melódica de guitarra. Eu acho que não erraram na mão ali, não, quando optaram por essas mudanças. É sempre arriscado, mas se saíram bem nas ligações entre as partes, ao meu ver.

Ouça você, também.

Nenhum comentário: